quarta-feira, 2 de agosto de 2017

ESQUINAS DO TEMPO



Nesta noite em que os olhos se não fecham,
Recordo-te nas palavras que dissemos
E sinto na pele um rasto de ausência,
O abraço que se perdeu entre o sonho e o voo,
Para lá das esquinas do tempo.
Silentes as palavras, murmuram neste vazio
A incerteza das horas.
Não sei se este amor renascerá das cinzas
Como uma Fénix ou despedir-se-à
Como os amantes se despedem desesperadamente,
Não sei...
Recordo-te, apenas, nas palavras que dissemos, aquelas
Que me fizeram sorrir e sonhar que um dia seria,
Seríamos felizes.

Autora: Isabel Vilaverde
(@Todos os Direitos Reservados).
02-08-2017


Imagem: Google.



1 comentário:

  1. o sonho permanece, imaculado e sóbrio, conflituoso em dias que nos falta a ficha de instruções e nos molda em desespero do dia seguinte, encarnamos algo que nos delibera a alma, nos escapa entre mãos, por momentos que nao são os nossos.
    O sonho permanece, imaculado e sóbrio........

    ResponderEliminar

 
Licença Creative Commons
This obra is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 2.5 Portugal License.