terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

NAS ESQUINAS DO TEMPO


Hoje tudo se esfumou…
Uma dor lancinante o peito me rasgou,
Vestiu-me de morte, o frio senti,
Perdi-me dos sonhos, perdi-te de mim.

Amanhã tudo me faltará…
A saudade será bruma silenciosa,
Serpente ávida meu corpo engolirá,
A ausência dos teus braços dolorosa.

Olho a noite e as estrelas cintilando,
Nesta solidão das horas…
Os meus olhos de névoa se vão tapando.

Procuro-te nas esquinas do tempo, no firmamento,
E lá, no alto do céu…
Encontro somente a lua a chorar como eu.

Written by:Isabel Vilaverde
video

Sem comentários:

Enviar um comentário

 
Licença Creative Commons
This obra is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 2.5 Portugal License.